Juro encerra em forte baixa com fraca produção industrial

Os juros futuros registraram forte baixa hoje, impulsionada pela melhora dos mercados financeiros internacionais e pelo o resultado da produção industrial brasileira de janeiro, considerado "na medida" para a continuidade da queda da taxa básica de juros (Selic). O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, tradicionalmente o mais negociado, fechou projetando taxa de 12,06% ao ano, ante taxa de 12,14% ao ano projetada no encerramento dos negócios ontem. Em um dia de trégua no cenário internacional, participantes do mercado enxergaram nos dados de produção industrial divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) uma oportunidade de aplicar em DIs, depois de tantos dias de altas sucessivas das taxas. Mas o ambiente internacional ainda incerto, sujeito a volatilidade e turbulência, inibe qualquer aposta firme em um corte de meio ponto porcentual na Selic, ao fim da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), amanhã. Atualmente, a Selic está em 13% ao ano. O IBGE mostrou queda de 0,3% na produção industrial em janeiro na comparação com dezembro, abaixo da mediana das estimativas, de +0,45%, e crescimento de 4,5% ante janeiro de 2006, em linha com a mediana. Mas o DI para janeiro de 2010 registrou hoje um número maior de negócios que seu par do ano que vem. Isso porque os contratos com prazos mais longos sofreram fortes quedas nos preços e conseqüente alta nas taxas nos últimos dias, por causa da turbulência nas bolsas de valores, e hoje, com o mercado global em um período de trégua, foram considerados uma boa oportunidade de compra. O DI para 2010 fechou a 11,95% ao ano, ante 12,16% ao ano ontem. O DI para janeiro de 2009 ficou em 11,93% ao ano, contra 12,12% ao ano ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.