Juro fecha em alta na BM&F, seguindo piora externa

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008 - o mais negociado - fechou hoje em alta, projetando taxa de 12,47% ao ano. Na sexta-feira, este mesmo DI havia encerrado o dia a 12,44% ao ano na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Após uma semana de forte pressão sobre as taxas, os juros futuros ensaiaram recuperação pela manhã, acompanhando a melhora dos demais ativos no Brasil e no exterior, que, entretanto, não se concretizava no início da tarde. Os DIs abandonavam o viés de queda no momento em que as bolsas americanas, que abriram no positivo, invertiam a alta, pressionadas por realização de lucros e valorização nos preços do petróleo. O dólar doméstico reduziu as perdas, enquanto a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) Bovespa, operava com volatilidade. A notícia ruim no cenário interno ficou por conta da divulgação do Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) de até o último dia 7, de 0,86%, que ficou acima do teto das estimativas dos analistas. O índice anterior, até 31 de dezembro, havia registrado alta de 0,63%. Porém, uma variação mais expressiva já era esperada por conta de fatores sazonais, como a alta dos preços de alimentos e do grupo educação, em razão dos tradicionais reajustes de mensalidades escolares nesta época do ano. De qualquer maneira, o IPC-S até 7 de janeiro é a maior taxa do indicador desde a terceira semana de maio de 2005, quando o índice teve alta de 0,99%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.