Juro fecha em leve queda, sem nova aposta para Selic

O mercado de juros operou com taxas em queda hoje, mas sem fôlego para um recuo expressivo. Segundo operadores, faltaram notícias que justificassem mudanças nos preços. Dessa forma, o mercado seguiu oscilando ao redor do nível do fechamento de ontem, com volumes de negócios considerados baixos. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2009, o mais negociado, terminou o dia projetando taxa de 11,79% ao ano, ante taxa de 11,80% no encerramento dos negócios ontem. O DI para janeiro de 2010 também fechou com taxa de 11,79%, estável em relação a ontem. Divulgados pela manhã, índices de inflação domésticos mostraram alívio e foram apontados como justificativa para a tentativa de queda das taxas. Mas, como o mercado já tem claro que o ritmo de corte da Selic, taxa básica de juros, de 0,25 ponto porcentual, está definido, a inflação não é combustível para uma mudança no nível das taxas futuras. A segunda prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de março ficou em 0,24%, ante expectativas dos analistas de alta de 0,25%. O Índice de Preços ao Consumidor, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) referente à segunda prévia de março ficou em 0,24%, abaixo do piso das previsões dos analistas, que variavam de 0,25% a 0,33%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.