Juro futuro abre em alta em dia de prevenção de perdas

O mercado de juros iniciou o pregão eletrônico na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) confirmando que o movimento de prevenção de prejuízo (stop loss, na sigla em inglês) iniciado ontem deve prosseguir hoje. Os contratos de juros futuros iniciaram com taxas em forte alta e volume financeiro expressivo para o horário. Para se ter uma idéia, o contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2010, que normalmente não atrai muitos negócios, somava, mais cedo, quase 100 mil contratos em apenas meia hora de negociação de pregão eletrônico. Às 10h28, o contrato de DI com vencimento em janeiro de 2008, tradicionalmente o mais líquido, tinha taxa de 12,19% ao ano, ante 12,13% do dia anterior. Já o segundo mais negociado, o DI para janeiro de 2009, projetava taxa de 12,09% ao ano. Ontem, este mesmo DI fechou a 11,95% ao ano. Operadores dizem que há muitos investidores zerando posição, dando continuidade ao ajuste que foi verificado ontem pelo forte recuo da bolsa chinesa. Agora, dizem os especialistas, a alta não está relacionada a preocupações com o gigante asiático, mas a uma correção natural e até saudável que foi desencadeada, depois de um período de valorização expressiva dos ativos globais. E, no caso dos juros, o espaço para correção é grande, porque os contratos vinham acumulando um recuo importante nos prêmios. "Com o aumento da volatilidade, leva um tempo para o mercado encontrar um nível de preço coerente", observa um operador. Nesse contexto, é provável que os indicadores econômicos domésticos, ainda que sejam considerados relevantes, tenham influência sobre os preços. É o caso do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de 2006, que foi divulgado hoje e apontou crescimento de 2,9% da economia. O mercado utilizará o resultado para compor seus cenários, mas dificilmente o dado terá efeito sobre os preços. Os primeiros sinais dos índices futuros das bolsas norte-americanas nesta manhã são de que o mercado externo busca recuperar-se, depois do tombo do dia anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.