Juro futuro abre estável a 14,69% para janeiro de 2008

O mercado futuro de juros não deve fugir muito da estabilidade nas projeções hoje. Se ontem, quando os mercados aqui e lá fora corrigiram excessos da euforia imediata pós-Bernanke (na quarta-feira, o presidente do banco central americano, Ben Bernanke, discursou no Congresso), os juros apenas subiram levemente nos contratos de longo prazo, precisa haver um motivo muito forte para reações mais intensas. Operadores deste segmento de mercado consideram que o mercado de juros deve ficar relativamente "de lado" até quinta-feira da próxima semana, quando será divulgada a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central realizada na quarta-feira, quando a taxa Selic foi reduzida em 0,5 ponto porcentual para 14,75% ao ano. Como a briga agora é para saber em quanto estará a Selic ao final do ano - ou seja, se este semestre ainda comporta uma ou duas quedas no juro básico e de que tamanho - as "pistas" para esclarecer as dúvidas serão buscadas no documento. Divulgado esta manhã, o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) da segunda prévia de julho subiu 0,16%, ante elevação de 0,56% em junho. O resultado ficou abaixo do piso das estimativas dos analistas, que variavam de 0,19% a 0,40%. Mais uma notícia a justificar o otimismo em relação ao afrouxamento da política monetária do BC. No sistema eletrônico GTS da Bolsa de Mercadorias & Futuros, o juro do contrato de DI de janeiro de 2008 estava em 14,69% ao ano às 9h45, estável ante o fechamento de ontem (14,69%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.