Juro futuro abre indefinido, com cenário externo ruim

O mercado futuro de juros abriu o dia estável, indefinido entre a boa notícia do recuo das projeções para índices de inflação e o mau cenário externo. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, tradicionalmente o mais negociado, projetava na abertura taxa de 12,21% ao ano, a mesma do encerramento dos negócios na sexta-feira. Pouco depois, às 10h18, o juro projetado era levemente maior, de 12,22% ao ano. O mercado de juros deve refletir hoje a piora do ambiente externo verificada no final da sexta-feira passada, e que continua prevalecendo em Wall Street. Os índices futuros das bolsas norte-americanas registram ligeira queda e, na opinião de profissionais, devem influenciar o início das operações no mercado de juros hoje. A agenda hoje é fraca mas, dizem profissionais, há indicadores de peso para saírem nos EUA nos próximos dias, o que deve garantir volatilidade. Internamente, o noticiário é tranqüilo, com a inflação mostrando recuo. Hoje, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) referente à primeira quadrissemana de fevereiro ficou em 0,52%, ante 0,66% no fechamento de janeiro, abaixo da mediana das projeções, de 0,56%. Na pesquisa semanal Focus, com projeções do mercado financeiro para indicadores econômicos, houve correção para baixo da maior parte das previsões dos índices de inflação. A projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2007 recuou de 4,07% para 3,97%. Pela primeira vez, a pesquisa inclui as projeções para 2008, que ficaram em 4%. A projeção para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) em 2007 caiu de 4,25% para 4,10%. As demais previsões apresentadas pela Focus mantiveram-se estáveis: a taxa básica de juros (Selic) para o fim de 2007 permaneceu em 11,50% e a projeção para o PIB em 2007 ficou em 3,5%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.