Juro futuro avança com ata do Copom

O contrato de juro para janeiro de 2008 (o mais negociado) fechou a quinta-feira em alta, projetando taxa de 14,70%, contra taxa de 14,62% de ontem. A ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada hoje de manhã pelo Banco Central sinalizou que a política monetária tende a adotar um ritmo mais parcimonioso a partir de agora. Como efeito da ata, os juros futuros subiram. Ficou reforçada a aposta de que a queda da Selic será desacelerada de 0,75 ponto porcentual na reunião anterior para 0,50 ponto porcentual na próxima reunião, em maio. Quando, contudo, o presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA), Ben Bernanke, fez pronunciamento perante o Comitê Econômico Conjunto do Congresso norte-americano, os juros futuros desaceleraram a alta. Isso porque o pronunciamento de Bernanke, a respeito da economia dos EUA, foi considerado benigno e contribuiu para amenizar as tensões nos mercados de maneira geral. No Brasil, declarações posteriores do ministro da Fazenda, Guido Mantega, em relação aos juros, não alteraram a trajetória dos juros, que já haviam começado a se estabilizar quando a fala de Bernanke estava perto do fim. Indagado por jornalistas sobre a sinalização "conservadora" da ata do Copom, o Mantega respondeu: "é uma interpretação." "Com certeza, continuará havendo redução da taxa de juros", complementou.

Agencia Estado,

27 Abril 2006 | 16h05

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.