Juro futuro cai ainda sob impacto de projeções de inflação

As projeções das taxas de juros estão em queda no início do pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008 projetava taxa de 12,16% ao ano às 10h08, enquanto o DI com vencimento em janeiro de 2009 atingia a mínima de 11,99% ao ano. Ontem, as taxas futuras eram respectivamente de 12,19% e 12,03% ao ano. O mercado de juros segue na toada positiva, que ganhou força ontem com a divulgação da pesquisa Focus pelo Banco Central (são projeções semanais feitas por cerca de cem instituições financeiras, consolidadas pela autoridade monetária). A pesquisa, que trouxe queda na maior parte das projeções de inflação para 2007 e mostrou perspectivas também favoráveis para 2008, trouxe de volta à cena a possibilidade de o Comitê de Política Monetária (Copom) voltar a reduzir a taxa Selic em 0,5 ponto porcentual. Talvez não na reunião de março, mas quem sabe em abril ou junho. A taxa básica de juros da economia brasileira está hoje em 13% ao ano. O fato é que se o mercado voltar a trabalhar com a hipótese de as doses de corte de juros básicos serem superiores a 0,25 ponto porcentual por reunião do Copom neste ano, haverá mudança em toda a projeção da curva para os próximos meses . "Para o DI de janeiro de 2008, por exemplo, essa mudança de cenário seria importante", observa um operador. O DI de janeiro de 2009, que tem disputado a posição de contrato mais líquido, também teria muito espaço para queda. E, na opinião de operadores, esse contrato pode tentar consolidar-se perto do piso de 12% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.