Juro futuro encerra em alta, com ajuste após o Copom

O mercado de juros registrou alta hoje, em ajuste à decisão do Banco Central de cortar a Selic (taxa básica de juros da economia) em apenas 0,25 ponto porcentual ontem. Embora não tenha havido surpresa na redução do juro de 13% para 12,75% ao ano, havia no mercado alguns investidores mais otimistas, que comprando contratos para lucrar com um eventual corte de 0,5 ponto porcentual na taxa. Assim, hoje foi dia de reverter essa estratégia, vendendo os contratos comprados, o que reduziu seu preço e, por conseqüência, elevou seus juros. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, tradicionalmente o mais negociado, fechou projetando taxa de 12,08%, ante taxa de 12,01% ao ano projetada no encerramento dos negócios ontem. O DI para janeiro de 2009, também bastante negociado, projetava no fim do dia taxa de 11,88% ao ano, contra taxa de 11,86% ontem. Nos contratos de prazo mais longo, porém, a trajetória foi inversa, refletindo a lógica do mercado de que uma atitude conservadora do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC agora representa apenas um adiamento do corte maior, não sua suspensão. Assim, o DI de janeiro de 2011 encerrou com taxa de 11,89%, ante taxa de 11,93% ontem. O comunicado divulgado após a reunião de ontem, enxuto e sem sinalização sobre os próximos passos de política monetária, e a unanimidade da decisão da diretoria do Copom reforçaram a idéia de que o BC está mais conservador do que na reunião anterior. E isso diminui, pelo menos por enquanto, a chance de o ritmo de corte de juros ser acelerado nos próximos meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.