Juro futuro encerra em baixa, à espera de ata do Copom

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), terminou o dia projetando taxa de 13,85% ao ano, com queda de 0,36%. Na sexta-feira, este mesmo contrato encerrou a 13,90% ao ano. Aguardando a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), que sai na próxima sexta-feira, o mercado de juros operou em clima de tranqüilidade. Mas, mesmo com o recuo das taxas, ainda não há uma aposta firme para o que deve ser a próxima decisão de política monetária. Embora operadores e analistas considerem provável que a taxa Selic caia pelo menos mais 0,5 ponto porcentual até o final do ano (ou seja, que ela feche o ano em 13,75%), a curva de juros precifica, por enquanto, mais um corte de 0,28 ponto porcentual na reunião de outubro e outro de 0,10 ponto na reunião de novembro. O mercado acredita que a ata pode trazer as justificativas para a decisão do comitê de reduzir o juro em 0,5 ponto, e não em 0,25 ponto, como precificava a curva de juros. A maior curiosidade dos analistas é a respeito de como o Banco Central tratará a desaceleração do crescimento econômico, comprovado pelo desempenho fraco do PIB do segundo trimestre do ano. Em especial, se as indicações de queda do investimento e aumento do consumo preocupam. E, ainda, se essa questão constará como um argumento para a decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.