Juro futuro encerra em forte baixa

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), terminou projetando taxa de 13,71% ao ano, a mais baixa do dia. Ontem, este mesmo contrato encerrou o dia a 13,88% ao ano. Depois de uma manhã bastante agitada, com volume de negócios elevado e forte oscilação de taxas, os juros fecharam em baixa. Logo na abertura, as taxas haviam subido com força, diante das incertezas em relação ao quadro político. Mas esse comportamento perdeu força no final da manhã e as taxas devolveram a alta. Segundo operadores, o alívio ocorreu porque o fluxo tomador desapareceu. E, no nível de preço que os DIs se encontravam, passou a tornar-se atrativo aplicar de novo em juros. Afinal, o mercado se assustou com o quadro político, mas não mudou de opinião em relação aos fundamentos favoráveis ao alívio monetário. Esse movimento, dizem profissionais, indica que, pelo menos até aqui, o que pressionou as taxas foi um ajuste técnico, e não uma mudança no cenário. É muito cedo para dizer que a correção acabou. E também para afirmar que o quadro político deixará de incomodar. Há expectativa de que as revistas tentem esquentar o assunto no final de semana, mantendo o tema no centro das atenções. De todo modo, diante do que já foi divulgado, o mercado incorporou uma postura cautelosa, mas não de nervosismo.

Agencia Estado,

22 de setembro de 2006 | 16h14

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.