Juro futuro encerra em forte queda

O anúncio da manutenção da taxa de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) em 5,25% ao ano levou os contratos futuros de juros na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) a diminuírem a intensidade da queda num primeiro momento hoje. O contrato futuro de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2008 (o mais negociado) registrava, antes do anúncio do Fed, taxa de 14,45% ao ano. Porém, em seguida, reforçou o ritmo de baixa e encerrou projetando 14,40% ao ano, a mínima do dia, ante taxa de 14,51% ao ano do fechamento de ontem. Embora o banco central norte-americano tenha confirmado a maioria das expectativas, ao manter a taxa, no documento pós-reunião, o Fed informa que o risco de inflação persiste e que cada indicador divulgado daqui para a frente terá importância para determinar a necessidade ou não de retomada de aumento. As ressalvas levaram o mercado acionário nos EUA a inverterem o sinal e operarem em baixa, o que influenciou levemente a Bovespa, de início. Pouco depois, contudo, a Bolsa paulista conseguiu se desprender do cenário externo e voltou a subir, ajudando o mercado de juros a renovar as taxas mínimas do dia. Além disso, o mercado de juros também foi influenciado pelos taxas projetados pelos títulos do Tesouro dos EUA, que, em seus prazos mais curtos, operaram em queda, reagindo mais à pausa no ciclo de aperto monetário do Fed do que ao comunicado que acompanhou o anúncio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.