Juro futuro fecha estável e com poucos negócios

As principais taxas de juros na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) fecharam em direções opostas. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2009 - tradicionalmente o mais negociado - terminou estável a 11,68% ao ano. Já o DI para janeiro de 2010 encerrou em leve alta, projetando taxa de 11,64% ao ano (11,63% de ontem). Hoje, o mercado de juros manteve-se "travado", com volume de negócios reduzido e pouca oscilação das taxas. O destaque nesse mercado continua sendo a disposição de investidores em aplicar nos contratos mais longos. Nesta terça-feira, o DI para janeiro de 2014, por exemplo, voltou a registrar um volume negócios considerado expressivo para o prazo: o giro foi de 3.515 contratos. A taxa desse DI, devido à demanda, recuou de 11,72% ao ano, ontem, para 11,69% hoje. Segundo operadores, diante dos prêmios muito reduzidos na curva de juros, os investidores buscam alternativas e operam a chamada "inclinação da curva". Os investidores estão, assim, tomando DIs mais curtos (janeiro/09 ou janeiro/10) para vender os contratos longos (janeiro/12 ou janeiro/14). Dessa forma, a inclinação da curva (a diferença entre as taxas longas e as mais curtas) diminui. Essa operação, que tem como motivação a busca por maior espaço para ganho, só é possível, segundo operadores, porque o mercado trabalha com um cenário de longo prazo positivo. De um modo geral, no entanto, o volume de negócios no mercado de juros continua limitado pela expectativa por uma definição mais clara do rumo do cenário externo - que pode surgir com a divulgação de indicadores de maior relevância a partir de amanhã nos Estados Unidos.

Agencia Estado,

27 de março de 2007 | 16h09

Mais conteúdo sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.