Juro futuro mantém clima de melhora

O mercado futuros de juros iniciou o dia dando continuidade à melhora verificada na quinta e na sexta-feira. Mas se as segundas-feiras são, tradicionalmente, dias de menor liquidez nos negócios, esta em especial promete ser mais fraca ainda, por causa dos feriados em Nova York e Londres. O mercado doméstico perde, assim, seus parâmetros internacionais. A semana, no entanto, é forte em indicadores e eventos. Tem reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), amanhã e quarta-feira, e as apostas concentram-se no corte de 0,50 ponto porcentual na taxa Selic, atualmente em 15,75% ao ano. Antes da decisão do Copom será divulgado o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2006 (na manhã de quarta-feira). Em termos de inflação, amanhã vai sair o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) de maio e, na quinta-feira, o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) do mesmo mês. Na agenda semanal dos Estados Unidos serão divulgados a ata do comitê de mercado aberto (quarta-feira) e números sobre o mercado de trabalho de maio (sexta-feira). A pesquisa semanal Focus, divulgada esta manhã pelo Banco Central, não trouxe muitas novidades. Quando muito, caíram as projeções para o IPCA de maio e de junho, o primeiro, de 0,23% para 0,20%, e o segundo, de 0,25% para 0,24%. No Top 5, o IPCA para 2006 recuou de 4,39% para 4,27%. A projeção de crescimento do PIB em 2006 subiu levemente, de 3,58% para 3,59%. A Focus ratificou a aposta majoritária do mercado de que a Selic deve recuar em 0,50 ponto porcentual na quarta-feira. Às 10h18, o juro do contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2008 (o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros) estava em 15,32% ao ano, contra 15,34% de sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.