Juro futuro para janeiro de 2008 fecha em 14,82%, ante 14,98%

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) fechou com taxa de 14,82% nesta terça-feira, contra 14,98% do fechamento de segunda-feira. O mercado futuro de juros brasileiro acompanhou de perto o desempenho das taxas dos títulos do Tesouro norte-americano, os chamados "treasuries". Lá fora, o mercado de juros já abriu a terça-feira melhor do que ontem e ganhou fôlego com a divulgação do PPI (inflação no atacado) de abril nos EUA, bem como de dados do setor imobiliário daquele país. Os dois dados contribuíram para aliviar expectativas em relação à política monetária norte-americana. O índice de preços ao produtor (PPI) dos EUA veio um pouco mais alto do que as previsões (+0,9%, ante expectativas de +0,8%), mas o seu núcleo, que exclui os preços de energia e alimentos, veio abaixo do esperado (subiu apenas 0,1%, ante estimativas de 0,2%). Os dados do setor imobiliário corroboraram com avaliação já feita pelo presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA), Ben Bernanke, de que a chamada "bolha imobiliária" iria se esvaziar gradualmente. Em compensação, o dado sobre produção industrial nos EUA causou confusão nas análises e afetou sobretudo o mercado acionário em Nova York. A produção industrial norte-americana cresceu 0,8% em abril, mais do que a mediana das previsões, de crescimento de 0,5%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.