Juro futuro retoma alta e fecha a 14,73% na BM&F

Os juros futuros retomaram hoje a alta registrada no fim do pregão de ontem, ainda à espera da ata do Comitê de Política Monetária (Copom). O depósito interfinanceiro (DI) na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) com vencimento para janeiro de 2008, o mais negociado, encerrou projetando taxa de 14,73% ao ano, ante 14,69% ao ano do dia anterior. O mercado externo teve hoje mais um dia morno, ainda corrigindo as fortes altas registradas após o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, na quarta-feira. A Bovespa acompanhou as quedas das Bolsas de Nova York, e o dólar operou em alta frente ao real. No mercado de juros doméstico, contudo, o que mais influencia as taxas é a expectativa pela ata da reunião de quarta-feira (19) do Copom, quando a taxa básica de juros da economia (Selic) foi reduzida em 0,5 ponto porcentual. O documento será divulgado apenas na quinta-feira da semana que vem. Até lá, ninguém no mercado de juros se sente capaz de avançar em apostas. Isso porque a ata pode ajudar os investidores a perceber se a autoridade monetária será mais cautelosa ou mais otimista na política monetária. A disputa no mercado de juros é saber em quanto a Selic fechará o ano - ou seja, se este semestre comporta ainda apenas uma queda no juro básico (em agosto) ou duas - e de que tamanho. Mas, sem a ata, é cedo para firmar posições em torno de uma aposta definitiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.