Juro futuro segue otimismo externo e fecha em baixa

O mercado de juros acompanhou hoje a reação positiva do cenário externo ao PIB dos EUA no segundo trimestre, divulgado pela manhã. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2008 (o mais negociado) encerrou o dia projetando forte queda nos juros, com taxa de 14,58% ao ano, ante 14,65% ao ano do dia anterior. O crescimento do PIB norte-americano apresentou desaceleração maior do que a prevista. A alta no segundo trimestre foi de 2,5% (anualizado), contra 3,2% estimada e 5,6% nos três primeiros meses. As Bolsas de Nova York reagiram bem ao dado, com os investidores interpretando que essa desaceleração reforça a hipótese de pausa na alta dos juros dos EUA. A próxima reunião do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), para definir a taxa de juros do país, será no dia 8 de agosto. Os mercados preferiram deixar em segundo plano o alerta feito pelos dados de inflação dentro do PIB, mostrando pressões mais claras nos preços. O índice de preços dos gastos com consumo dobrou em relação ao primeiro trimestre, para aumento de 4,1% no segundo trimestre, de +2% no período anterior. Entretanto, por ora, o mercado lembrou-se que o presidente do Fed (o banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, na semana passada, não se mostrou tão preocupado com a inflação no curto prazo, apoiando-se na desacelaração da economia que deve conter a demanda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.