Juro futuro segue piora externa e fecha em alta

O mercado futuro de juros no Brasil retomou a cautela hoje, com a piora de comportamento dos mercados internacionais. Nos Estados Unidos pesaram indicadores mostrando fraqueza da economia norte-americana, além de novos problemas no mercado subprime, de crédito imobiliário de alto risco. Por conta disso, as bolsas de Nova York se mantiveram em forte queda e, dessa forma, afetaram os negócios no País. As principais taxas de juros na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), que arriscaram um movimento de recuperação ontem, voltaram a subir, especialmente os contratos de prazos mais longos. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) mais líquido nesta terça-feira foi o janeiro de 2010, que movimentou 258 mil contratos. A taxa desse DI encerrou a 11,89% ao ano, ante 11,77%. Em seguida, ficou o DI para janeiro de 2008, com 212 mil contratos e taxa de 12,03% ao ano. No dia anterior, este mesmo DI fechou a 12,01%. O contrato de DI com vencimento em janeiro de 2009 terminou com 179 mil contratos, a 11,88% ao ano (11,77% de ontem). O indicador de vendas no varejo nos Estados Unidos apontou crescimento de 0,1% em fevereiro, abaixo das expectativas de alta de 0,3%. O número sugere desaceleração do consumo norte-americano e, dessa forma, agravou o desempenho negativo das bolsas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.