Juro futuro sobe à espera de mais dados nos EUA

A queda verificada no juro futuro pela manhã não se sustentou, com os investidores à espera de mais dados sobre a economia dos Estados Unidos. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008 - tradicionalmente o mais negociado - subiu e encerrou a 12,05% ao ano, ante 12,02%. Já o DI para janeiro de 2009 terminou estável, projetando taxa de 11,82% ao ano, na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). O mercado externo contrariou as previsões feitas pelos profissionais na abertura dos negócios e acabou dando uma trégua no nervosismo que se viu nos últimos dias. Embora alguns indicadores econômicos norte-americanos tenham surpreendido negativamente, as bolsas em Nova York decidiram relevar esses números e embarcaram em um movimento de recuperação. Com as bolsas no azul, o mercado futuro de juros teve um pregão tranqüilo. Logo na abertura, o resultado do índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) norte-americano de fevereiro, muito acima do previsto, ameaçou estragar o humor. O PPI mostrou uma inflação no atacado em fevereiro bem mais salgada do que previsto. O indicador subiu 1,3%, ante previsões de 0,6%, enquanto o núcleo (que exclui preços de energia e alimentos) avançou 0,4%, ante previsão de 0,2%. Porém, os investidores do mercado de juro futuro no Brasil preferiram esperar pelos dados da inflação no varejo dos EUA, que saem amanhã, considerando que o indicador tem maior peso e poderá apontar a real dimensão da situação da economia norte-americana. E isso ajudou as taxas a terminar o dia no positivo, segundo operadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.