Juro futuro sobe e segue cautela da cena externa

O mercado norte-americano voltou do feriado pisando no freio e a Europa opera com a mesma disposição para a cautela, movimentos que estão contagiando o mercado brasileiro hoje. Na base destes comportamentos estão sobretudo duas razões: os testes com mísseis feitos pela Coréia do Norte e a expectativa com o relatório do mercado de trabalho de junho (taxa de desemprego e criação de vagas) nos EUA, a ser divulgado na sexta-feira (mesmo dia em que será divulgado aqui o IPCA de junho). E como os mercados tiveram desempenhos positivos recentemente, estas são razões suficientes para uma realização de lucros. O mercado doméstico de juros não é uma exceção. Às 9h55, a taxa do contrato futuro de DI de janeiro de 2008 negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros chegou a 15% ao ano, na máxima do dia até este horário. Ontem a projeção de juros deste vencimento, que é o mais negociado na BM&F, havia fechado em 14,90% ao ano. O dólar também abriu em alta, mais um motivo para os juros devolverem parte das quedas dos últimos dias. Às 9h58, a taxa de câmbio era de 2,182 por dólar, alta de 0,6% no dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.