Juro futuro termina em forte queda após corte na Selic

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, tradicionalmente o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), terminou o dia projetando taxa de 13,25% ao ano, ante taxa de 13,32% ao ano projetada no encerramento dos negócios ontem. O mercado de juros prosseguiu na toada positiva hoje, respondendo à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de ontem, quando a taxa básica de juros da economia (Selic) foi cortada em 0,5 ponto porcentual, para 13,75% ao ano. Mas o mercado respondeu principalmente à possibilidade de o ritmo de corte de juros ser mantido na próxima reunião. Segundo operadores, o fato de o Copom ter tomado a decisão rapidamente, por unanimidade, e ter divulgado essa decisão por meio de um comunicado curto e objetivo, sem qualquer advertência sobre riscos, abriu espaço para o mercado avançar nas apostas para a próxima reunião do Comitê, em novembro. As taxas futuras caíram de forma expressiva, com liquidez respeitável, refletindo o otimismo com os próximos passos da política monetária. Qualquer consolidação de aposta, contudo, dependerá da ata do Copom, que será divulgada no dia 26, próxima quinta-feira. No documento, será possível analisar de que forma o Banco Central está avaliando os dados mais recentes de atividade econômica (que mostram retomada muito lenta do crescimento), os índices de inflação e o rumo do cenário internacional. A partir daí, será possível traçar um cenário mais claro para a política monetária. De todo modo, a onda de otimismo que vem embalando os negócios nos últimos dias prossegue.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.