Juro futuro termina em queda com ambiente político

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), terminou o dia projetando taxa de 13,42% ao ano, em queda de 0,37%. Ontem, este mesmo contrato encerrou a 13,47% ao ano. Tudo cooperou para a queda dos juros, segundo analistas. Além da conjuntura econômica positiva - com inflação em queda e atividade fraca - e do cenário internacional favorável, o ambiente político também serviu de estímulo para o recuo das taxas futuras. O mercado operou baseado na idéia de que o tucano Geraldo Alckmin tem grande chance de vencer a eleição, o que passou a ser o melhor cenário para os negócios, ainda que profissionais digam que pode haver um certo exagero nesse movimento dos juros, sobretudo na parte que é motivada pela questão política. Hoje, surgiram rumores de que as próximas pesquisas eleitorais mostrarão vantagem do tucano sobre Lula, o que animou os mercados, embora isso não signifique ainda uma tendência, de acordo com analistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.