Juro sobe com foco no petróleo e nos leilões do Tesouro

Os juros dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) começaram o dia em alta, na continuidade do movimento iniciado na quinta-feira. Os motivos são os mesmos dos últimos dias - cenário externo preocupante, comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) com interpretação negativa - acrescidos dos leilões de hoje do Tesouro, de títulos prefixados e papéis corrigidos pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ontem, o anúncio das características do leilão, à tarde, só consolidou o movimento de aumento de prêmio nos contratos que era visto desde a manhã. Hoje, isso deve continuar e o mercado parece dar sinais de que começa a ficar saturado desses tipos de títulos. Às 10h05, o juro do DI com vencimento para janeiro de 2008 - o mais líquido - estava em 14,71%, ante fechamento ontem a 14,69% e ajuste para abertura do dia a 14,66%. Desde fevereiro, o Tesouro Nacional não oferta mais títulos pós-fixados (LFT) e passou a aumentar a oferta de prefixados (LTN e NTN-F) e NTN-B (corrigidos pelo IPCA). Com isso, o Tesouro conseguiu reduzir a participação das LFTs no total da dívida assim como ampliar o prazo médio dos papéis em poder do mercado. Atraiu também uma quantidade expressiva de investidores estrangeiros para a compra das NTN-Bs, graças à medida provisória que isentou os estrangeiros de imposto de renda na compra de títulos públicos. Mas agora o mercado pede mais prêmio por estes papéis. Na semana passada, o Tesouro já não conseguiu colocar integralmente as ofertas de LTN e NTN-F, e pagou taxas mais altas pelos títulos vendidos. Ontem, o secretário do Tesouro Nacional, Carlos Kawall, disse que "o processo de redução de LFT deve ser sem sobressaltos"; mas há quem diga, no mercado, que o processo já está bastante acelerado. A oferta de hoje, no leilão de LTN, é de 1 milhão de títulos com vencimento em 1/1/2007; 3 milhões de LTN 1/10/2007; e 750 mil LTN 1/7/2008. No leilão de NTN-F, serão ofertados 500 mil títulos do vencimento 1/1/2010 e 300 mil do vencimento 1/1/2012. E na primeira etapa do leilão de venda de NTN-B (a segunda etapa é amanhã) serão ofertados até 500 mil títulos dos vencimentos 15/8/2008, 15/5/2009, 15/8/2010 e 15/5/2011. Os juros dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos (Treasuries) voltam a mostrar alta nesta manhã e a taxa do papel de 10 anos retornou ao patamar de 5% (às 9h43, ante 5,0039% (+0,63%). O petróleo, outra grande preocupação com a atual escalada de preços, também subia (às 9h44, o contrato para junho na Nymex eletrônica estava em US$ 73,73, alta de 0,55%). E dois anúncios nos EUA podem mexer mais com o cenário externo, sobretudo com os treasuries: vendas de imóveis residenciais usados em março e índice de confiança do consumidor da Conference Board, ambos com divulgação às 11 horas. Aqui, o mercado aguardará com atenção os números do governo central. O que interessa sobretudo é saber se o superávit do governo central (uma proxy do número final do setor público consolidado, a ser divulgado amanhã) está ou não dentro da meta deste ano, de 4,25% do PIB. A questão fiscal assumiu importância maior depois das mudanças da Fazenda, simultaneamente ao ano eleitoral, o que suscitou preocupações de gastos mais volumosos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.