Juro subirá nos EUA, mas bolsas terão bom ganho em 2007, prevê M.Stanley

A economia dos Estados Unidos continuará crescendo em 2007, o que deve levar a uma manutenção das pressões inflacionárias naquele país e promover uma nova alta da taxa de juros pelo Federal Reserve. A avaliação é do diretor-executivo do Morgan Stanley no Brasil, Marcio Rochwerger. "Devido a esse crescimento econômico, haverá um provável aumento da inflação", afirmou. O executivo descarta a possibilidade de uma redução das taxas de juros. Para ele, essa conjuntura permitirá que as empresas norte-americanas continuem apresentando aumento de receitas e lucros, o que deve levar as bolsas dos Estados Unidos a registrarem desempenho favorável no próximo ano. "As empresas terão bons ganhos e a bolsa vai subir. O Morgan Stanley prevê alta de 10% na bolsa dos EUA em 2007. De acordo com o executivo, esse cenário benigno para a economia americana deverá apresentar reflexo sobre os ativos brasileiros, que ainda se beneficiarão, na visão dele, da continuidade do ciclo de queda da taxa de juros básica (Selic). "Enquanto a maioria dos países estará num ciclo de aumento dos juros, o Brasil estará num ambiente de queda das taxas", disse, ressaltando que o banco de investimentos norte-americano prevê a formação de uma tendência de alta na Bovespa já no início de 2007. "(A bolsa brasileira) terá a melhor performance na América Latina. Se olharmos em termos de múltiplos, a bolsa brasileira é mais barata", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.