Juros de títulos americanos sobem com avaliação do Fed

Em documento, banco central americano apresentou avaliação promissora sobre economia do país

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

28 de abril de 2010 | 19h26

Os preços dos Treasuries (títulos públicos americanos) caíram, com respectivo movimento inverso dos juros, no horário de fechamento dos mercados financeiros dos EUA, diante de uma avaliação mais promissora do Federal Reserve sobre a economia do país, fator que reduziu a procura por ativos considerados seguros, como os títulos do Tesouro norte-americano. O mercado de bônus também era pressionado pela perspectiva de um leilão de US$ 32 bilhões em T-notes de sete anos na quinta-feira. A operação será a última do tipo nesta semana.

"O mercado está abrindo espaço para o leilão de sete anos", disse James Combias, diretor de negociações de Treasuries da Mizuho Securities. "O Fed disse praticamente tudo o que esperávamos. Eles ainda não estão com pressa em termos de aperto da política monetária, mas estamos chegando perto de um aumento nos juros."

No final da tarde em Nova York, os juros projetados pelos T-bonds de 30 anos estavam em 4,623%, de 4,567% na terça-feira; os juros das T-notes de 10 anos estavam em 3,762%, de 3,687%; os juros das T-notes de 2 anos estavam em 1,027%, de 0,979% ontem.

O Federal Reserve divulgou em seu comunicado de decisão de política monetária que a atividade econômica dos EUA continua a se fortalecer, mas que a folga de recursos remanescente da época de recessão ainda é grande o suficiente para garantir que os juros permanecerão baixos no país por um "período prolongado".

Os títulos de vencimento mais longo sofreram a maior parte da pressão resultante da melhora na avaliação econômica do banco central, mas John Silvia, economista-chefe do Wells Fargo, disse que os dias de juros baixos serão "limitados", visto que o Fed considerou que o mercado de trabalho norte-americano está começando a melhorar.

As autoridades do banco central citaram anteriormente que o mercado de trabalho é um dos três fatores que serão utilizados para decidir quando ocorrerá um ajuste dos juros. Os outros dois são a capacidade excessiva da economia e as expectativas de inflação.

As vendas de Treasuries na sessão de hoje apagaram parte dos ganhos nos preços obtidos ontem, quando o mercado recebeu suporte de receios com a possibilidade de a crise fiscal na Grécia se alastrar para outras nações europeias.

Mais cedo, a Standard & Poor's rebaixou o rating de crédito soberano de longo prazo da Espanha de AA+ para AA e atribuiu à nota uma perspectiva negativa. A notícia foi antecedida pelo rebaixamento dos ratings soberanos de Grécia e Portugal na terça-feira.

George Gonçalves, diretor de estratégia de juros dos EUA do Nomura Securities International em Nova York, disse que o mercado de Treasuries está preso entre a avaliação positiva do Fed sobre a economia norte-americana e as preocupações com as dívidas soberanas. Segundo ele, se não fossem os receios com a zona do euro, o yield da T-note de 10 anos provavelmente testaria novamente a barreira dos 4%, nível rompido pela última vez no início de abril.

O nível elevado da dívida pública em alguns países da zona do euro contribuiu para aumentar a procura pelos Treasuries nos leilões realizados nesta semana.

Hoje foram leiloados US$ 42 bilhões em T-notes de cinco anos. A demanda pelos papéis foi 2,75 vezes maior do que o volume ofertado. No leilão anterior de Treasuries de igual vencimento, ocorrido em março, a procura pelos títulos foi 2,55 vezes maior do que o volume oferecido. O yield das T-notes, no entanto, ficou em 2,54%, levemente acima da taxa de 2,529% registrada pouco antes da operação. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.