Juros de títulos americanos sobem mas recuam das máximas do dia

Pressão de venda dos papéis diminui com queda das Bolsas de NY

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

25 de março de 2010 | 18h15

Os preços da maioria dos Treasuries caíram, com respectiva alta dos juros, mas encerraram a sessão bem acima das mínimas intraday, com as T-notes de 2 anos revertendo as perdas iniciais. Segundo traders e analistas, a pressão de venda sobre os Treasuries diminuiu no final da sessão conforme os índices de ações escorregavam para território negativo - o Nasdaq e o S&P-500 fecharam em baixa, enquanto o Dow Jones fechou com um ganho marginal de 0,05%.

 

O mercado de Treasuries, em especial a parte longa da curva de juros, foi pressionado pelo morno leilão primário de US$ 32 bilhões em T-notes de 7 anos. As novas notes foram colocadas com um yield de 3,374%, acima da taxa de 3,330% precificada no mercado "when-issued" - onde o título é negociado antes de seu lançamento oficial -, ou seja, o governo teve de adoçar sua oferta para vender os títulos. Além disso a proporção ofertas feitas e aceitas alcançou 2,61 vezes o valor da oferta, abaixo da proporção de 2,98 de fevereiro e de 2,85 em janeiro.

 

As ofertas indiretas - um indicador da demanda de investidores estrangeiros, incluindo bancos centrais - alcançou 42%, comparado com 40,3% em fevereiro e 51,1% em janeiro. As ofertas diretas - dealers, bancos, gestores de fundos e instituições de depósito que não são primary dealers, mas que possuem contas para submeter ofertas nos leilões do Tesouro - caíram para 8%, de 17,2% em fevereiro e 11,8% em janeiro.

 

Logo após o leilão, os juros das T-notes de 10 anos subiram para o nível mais alto desde junho, alcançando 3,934%.

 

O leilão de T-notes de 7 anos encerrou a programação de oferta primária do Tesouro americano, no total de US$ 118 bilhões, da semana. A demanda desta rodada de leilões - incluindo US$ 44 bilhões em T-notes de 2 anos e US$ 42 bilhões em T-notes de 5 anos - ficou abaixo das ofertas anteriores, reforçando algumas preocupações de que o apetite por Treasuries pode diminuir, considerando a imensa oferta de novos títulos para financiar o gigantesco déficit orçamentário e os estímulos fiscais para revitalizar a economia.

 

Sem uma forte demanda nos leilões, os yields dos Treasuries pode subir de forma significativa, aumentando os custos de financiamento para o governo, consumidores e companhias americanas. Além disso, as principais agências de classificação de risco já alertaram o governo dos EUA de que o país pode perder seu rating soberano AAA no longo prazo se não controlar seu déficit orçamentário.

 

Para James Combias, chefe de transações com Treasuries da Mizuho Securities em Nova York, disse que "este é o início de yield mais altos nos Treasuries", com esta rodada de fracos leilões e as ações do mercado dos últimos dois dias sinalizando que muitos investidores estão ajustando a precificação dos riscos da dívida soberana em relação a outros ativos de renda fixa.

 

A pressão de venda sobre os Treasuries cedeu com a virada em baixa das ações, que refletiu a cautela dos investidores enquanto aguardam a conclusão do encontro de cúpula de dois dias da União Europeia. O mercado quer ver se o encontro resultará em um pacote de ajuda para a endividada Grécia, o que poderá moldar o sentimento nos mercados financeiros.

 

Os Treasuries de prazos mais curtos, em especial as T-notes de 2 anos, cujos yields são mais sensíveis a mudanças na perspectiva para a política monetária, receberam suporte dos comentários do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke. Em depoimento no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, Bernanke disse que taxas de juro excepcionalmente baixas ainda são necessárias para dar suporte à economia norte-americana.

 

No encerramento da sessão em Nova York, os juros projetados pelos T-bonds de 30 anos estavam em 4,770%, de 4,727% ontem; os juros das T-notes de 10 anos estavam em 3,888%, de 3,838% ontem; os juros das T-notes de 2 anos estavam em 1,075%, de 1,095% ontem. As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAtreasuriestítulosjuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.