Juros de títulos do governo americano caem

Tensão entre Coreias e preocupação recorrente com Europa levam à busca de ativos seguros

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

25 de maio de 2010 | 19h22

Os preços dos títulos públicos norte-americanos (Treasuries) subiram, em sua maioria, com respectivo movimento inverso dos juros, impulsionados pelo recorrente temor com a situação financeira da Europa e por um aumento na tensão entre as duas Coreias, fatores que estimularam os investidores a buscar ativos seguros, como os títulos do Tesouro dos EUA.

No final da tarde em Nova York, os juros projetados pelos T-bonds de 30 anos estavam em 4,072%, de 4,105% na segunda-feira; os juros das T-notes de 10 anos estavam em 3,170%, de 3,213% ontem; os juros das T-notes de dois anos estavam em 0,750%, de 0,738% na segunda-feira.

O sistema bancário da zona do euro chamou a atenção dos mercados financeiros em meio ao anúncio de medidas de reestruturação de alguns bancos da Espanha. Ontem, quatro instituições de poupança espanholas assinaram um protocolo para fundir suas operações e, dois dias antes, o banco central da Espanha anunciou que faria uma intervenção na instituição de poupança CajaSur.

As notícias geraram preocupações com a estabilidade dessas instituições e ajudaram a taxa Libor em dólar para três meses - referência para o juro no mercado interbancário - a atingir o maior nível desde julho do ano passado. O avanço sugere que os bancos estão mais relutantes em emprestar para seus pares por receios com riscos de contraparte.

"A combinação de mais um país sendo atirado à sopa de letrinhas de nações atingidas pela crise de confiança que atingiu inicialmente a Grécia combinada com as ameaças da Coreia do Norte estão forçando a procura por Treasuries", disse Christian Cooper, operador de juros do Jefferies & Co.

A crescente tensão entre as Coreias do Sul e do Norte também ajudou os preços dos Treasuries a subir. Os sul-coreanos acusaram formalmente os vizinhos do norte de terem afundado um de seus navios de guerra em março. A Coreia do Norte respondeu afirmando que o Sul estava provocando um conflito e decidiu romper a comunicação entre os dois países.

Mais cedo, o Departamento do Tesouro ofertou US$ 42 bilhões em um leilão de T-notes de dois anos. A demanda pelos títulos foi 2,93 vezes maior que o volume oferecido e os papéis foram vendidos a uma taxa de 0,769% - a menor já registrada em um leilão de T-notes de dois anos. "Levando em consideração a busca por qualidade, esse leilão poderia ter sido um pouco melhor", disse George Gonçalves, diretor de estratégia para juros do Nomura Securities International.

Mas, com um retorno tão baixo para as T-notes de dois anos, restou aos investidores aplicar ou em T-bills ou em Treasuries de vencimento mais longo, "o que deixou os (títulos) de dois anos com menos suporte", disse Gonçalves. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAtreasuriestítulosjuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.