Juros domésticos fecham em alta com ata do Copom

O contrato futuro de juro para o mês de janeiro de 2008, o mais negociado, fechou a quinta-feira em alta, projetando taxa de 14,42% ao ano, contra 14,41% no fechamento dos negócios ontem. A ata do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada esta manhã, inibiu idéias de cortes mais ousados na taxa básica de juro Selic e reforçou a percepção de que o Banco Central (BC) prefere uma trajetória mais longa de queda do juro básico, com reduções graduais, a ampliar os cortes e terminar o processo de flexibilização monetária mais cedo. A aposta de que, em abril, o Copom cortará mais 0,75 ponto porcentual na Selic, saiu reforçada, em detrimento da idéia de redução de 1 ponto porcentual. Apesar disso, a alta do juro foi comedida, beneficiada pelo índice de inflação ao consumidor (CPI) dos EUA, que veio baixo, em 0,1% em fevereiro, com núcleo (excluindo pressões do setor de energia e alimento) também em 0,1%, ante expectativas, respectivamente, de 0,1% e de 0,2%. A queda dos juros dos títulos do Tesouro norte-americano (Treasuries) e a emissão de bônus da República com vencimento em 2037, anunciada esta manhã pelo Tesouro, também ajudaram os juros a manter o sangue-frio. O Tesouro ainda não divulgou os volumes, porém fontes do mercado informaram à AE que pode ter alcançado US$ 500 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.