Juros domésticos sobem, de olho nos EUA e em Palocci

O contrato futuro de juro para o mês de janeiro de 2008 (o mais negociado) fechou a segunda-feira em alta, projetando taxa de 14,92% ao ano, contra 14,75% no fechamento dos negócios na 6ªF. Além da dose de cautela relacionada à expectativa com a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed) - o BC americano - amanhã, o "fator Palocci" pesou sobre o mercado. Os investidores se defendem, enquanto aguarda definições de Brasília, onde o presidente Lula se reunirá hoje com a coordenação política do governo para selar o destino do ministro da Fazenda. Os jornais e as revistas semanais, em sua maioria, deram como certa a saída do ministro. Os três nomes mais cotados, segundo a imprensa, para substituí-lo seriam o do líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (citado com mais ênfase), o do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Guido Mantega, e o do secretário-executivo da Fazenda, Murilo Portugal. Portugal é o preferido nas mesas, mas muitos operadores ressalvam que ele não tem expressão política, o que dificultaria a escolha de seu nome. Mercadante não é um nome muito bem visto no mercado financeiro, devido a críticas à política econômica ao longo da gestão Palocci e de ser considerado um desenvolvimentista, capaz, segundo se ouve, de relaxar na política fiscal. Operadores e analistas não esperam uma guinada de 180 graus na política econômica, qualquer que seja o indicado para substituir Palocci, se este deixar mesmo a Fazenda. Mas todo mundo prevê um estresse momentâneo se isso acontecer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.