Juros fecham em alta, com piora do mercado americano

O mercado de juros terminou o dia em alta, com a piora do humor externo se sobrepondo ao noticiário local. O presidente do banco central norte-americano discursou no Congresso do país e provocou volatilidade nos mercados financeiros, com reflexo no Brasil. As boas notícias da revisão do PIB doméstico de 2006 acima do esperado e o relatório de inflação dentro do previsto não foram suficientes para neutralizar o efeito americano. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2009, o mais negociado, fechou projetando taxa de 11,72% ao ano, ante taxa de 11,68% ao ano projetada no encerramento dos negócios ontem. O DI para janeiro de 2010, também muito negociado, terminou o dia com taxa de 11,67%, contra taxa de 11,65% ontem. O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, enfatizou esta manhã que a autoridade monetária dos EUA não se afastou do viés de inflação, recolocando, assim, o peso devido na questão que tinha sido relegada a segundo plano pelos mercados na leitura do último comunicado do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc). Segundo Bernanke, as perspectivas para o setor imobiliário "continuam incertas". Ao mesmo tempo, ele buscou minimizar o risco de recessão nos EUA e manteve expectativa de crescimento moderado. Alternando sinalizações negativas com positivas, Bernanke não deu certezas aos mercados, que reagiram de forma volátil. Às 15h52 (de Brasília), o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, recuava 0,86%, e o título do Tesouro norte-americano de dez anos projetava juro em alta de 0,45%. No noticiário local, o relatório de inflação referente ao primeiro trimestre do ano confirmou a expectativa dos analistas e mostrou ligeira correção das projeções do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e do Produto Interno Bruto (PIB). Também esta manhã, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a revisão do PIB de 2006, que teve sua taxa de crescimento elevada de 2,9% para 3,7%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.