Juros fecham em alta, diante de desconforto com Palocci

O contrato futuro de juro para o mês de janeiro de 2008 (o mais negociado) fechou a sexta-feira em alta, projetando taxa de 14,75% ao ano, contra 14,68% no fechamento dos negócios ontem. O discurso do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, não foi suficiente para eliminar o clima de incertezas que vem pressionando o mercado nos últimos dias. Segundo operadores, Palocci foi firme, mas não deixou qualquer sinalização sobre o que, de fato, o mercado quer saber: se ele ficará ou não até o final deste mandato. "Ficou tudo na mesma. Ele não falou nada indicando que ele continuará no cargo e, portanto, o desconforto continua", afirma um operador à AE. Por causa da ausência de sinais concretos, os juros futuros, que chegaram a cair durante o discurso do ministro, retomaram a alta. "Na verdade, o mercado apenas devolveu a queda que registrou durante o discurso. Não houve uma mudança no humor", afirma um operador, observando que o ambiente de incertezas continua abrindo espaço para a boataria. "Nada de novo, apenas os rumores que há dias vêm aparecendo nas mesas de operação", diz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.