Juros ficam estáveis e mercado olha para fora

O mercado de juros continua olhando para o cenário externo, enquanto espera a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que será divulgada na quinta-feira cedo. Hoje, o índice de preços IPCA-15 de julho veio dentro da previsão do mercado de juros, com seu resultado (-0,02%) praticamente "colado" à mediana das previsões (-0,03%). Assim, não deve ter muita influência nos negócios hoje e o mercado continuará olhando para o cenário externo, enquanto aguarda a divulgação da ata do Copom na próxima quinta-feira. Como esta expectativa é muito forte para definir as apostas em relação à continuidade da queda do juro básico, o mercado de juros, como ontem, deve ter baixa oscilação, no passo do bolero, "dois para lá, dois para cá". Se o passo será um pouco para o terreno positivo ou negativo, isso dependerá sobretudo do que for apontado pelo quadro externo e pelo dólar. Lá fora, o terreno ainda é inseguro. Os futuros de Wall Street abriram o dia com bom movimento de alta, mas que foi cedendo paulatinamente, principalmente no S&P 500, que agora opera em queda. O Nasdaq 100 chegou a subir 0,53% e há pouco subia apenas 0,10%, ainda com alguma sustentação dada pelo resultado excepcional apresentado ontem à noite pela Texas Instruments. O petróleo opera em alta ante os impasses entre Israel e Líbano para um cessar-fogo. As atenções do mercado externo vão convergir para as 11 horas, quando vários indicadores norte-americanos serão divulgados simultaneamente: os dados de vendas de imóveis residenciais usados em junho; o índice de confiança do consumidor de julho da Conference Board; e o índice de atividade industrial regional de julho do Federal Reserve Bank de Richmond. Às 10 horas, o juro do DI de janeiro de 2008 (do contrato mais líquido) não se afastava muito da estabilidade. A taxa estava em 14,72% (máxima), ante o fechamento de ontem (14,71%) e ajuste para a abertura do dia (14,71%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.