Juros futuros abrem em queda após declarações de Lula

As declarações do presidente Lula à imprensa ontem à noite, reafirmando o compromisso com a política econômica em vigor, foram consideradas positivas pelo mercado de juros. E provocaram a devolução da alta verificada no pregão de ontem nos contratos futuros de DI (depósito interfinanceiro) de prazo longo. No pregão de ontem na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), esses contratos ampliaram o prêmio, por causa de afirmações de integrantes do governo de que o segundo mandato do presidente Lula seria marcado por um viés desenvolvimentista que poderia significar uma maior flexibilização da política monetária. Não foi um movimento de nervosismo, mas apenas de correção. Hoje, depois de ouvir as palavras de Lula, reafirmando o compromisso com o combate à inflação e rigor fiscal, desautorizando o ministro Tarso Genro (Relações Institucionais), que declarou o "fim da era Palocci", o mercado já devolve a alta de ontem. O contrato de janeiro de 2008 projeta taxa de 13 01% ao ano (13,06% ontem); o de janeiro de 2009 está em 13,23% ao ano (13,29% ontem; e janeiro de 2010 a 13,42% ao ano (13,49% ao ano). No entanto, toda essa discussão deixou "uma pulga atrás da orelha", nas palavras de um operador de mercado. Embora a aposta seja de que o governo mantenha a linha de responsabilidade fiscal e de combate à inflação - ainda que tenha mais empenho na busca pelo desenvolvimento -, profissionais monitorarão todos os passos do governo para ter essa confirmação. "O mercado está tentando entender qual será a composição do governo, que será a prova de que o discurso de Lula é para valer", afirma um operador. "E, quanto mais tempo isso demorar, mais vai crescer a dúvida", acrescenta. O mercado de juros também será influenciado hoje pelo leilão de títulos prefixados - o primeiro a ser realizado de acordo com as novas regras de emissão de papéis, definidas na semana passada pelo Tesouro. Será, portanto, o grande teste para a tentativa do Tesouro de ampliar a colocação de Notas do Tesouro Nacional da Série F (NTN-F), papéis prefixados que têm prazo mais longo de vencimento, com pagamento periódico de juros. Serão ofertados hoje 1,5 milhão de NTN-F com vencimento em 1º de janeiro de 2010, 500 mil títulos com vencimento em 1º de janeiro de 2012 e 300 mil NTN-F com vencimento em 1º de janeiro de 2014. Também serão levados a leilão 2 milhões de Letras do Tesouro Nacional (LTN, títulos prefixados) com vencimento em 1º de janeiro de 2007 e 2,5 milhões de LTN com vencimento em 1 de julho de 2008.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.