Juros futuros recuam após divulgação do IPCA-15

Núcleo por exclusão, o IPCA-15/EX, indicou variação de 0,42%, abaixo da alta de 0,81% vista em fevereiro

Patricia Lara, da Agência Estado,

23 de março de 2010 | 10h38

Uma cesta de dados apontando a desaceleração da inflação deve abrandar os prêmios nos contratos futuros mais curtos de DI, mas os movimentos devem ficar dentro de margens estreitas, diante da falta de direção do exterior e da expectativa sobre os dados de crédito, a serem divulgados mais tarde no Brasil. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) de março confirmou a expectativa de uma desaceleração. Seu resultado de 0,55% alinhou-se à mediana das previsões dos economistas.

 

Além disso, o núcleo por exclusão, o IPCA-15/EX, indicou variação de 0,42%, abaixo da alta de 0,81% vista em fevereiro, o que sugere um caminho mais suave para inflação após os impactos sazonais. Calculado pela Rosenberg, o IPCA-15/EX exclui de seu cálculo as variações dos valores de alguns alimentos e os preços administrados. O indicador é considerado um parâmetro para o comportamento futuro da inflação. Outro ponto importante é que houve uma regressão da disseminação de altas de preços. O índice de difusão ficou em 60,40% em março, ante 62% em fevereiro.

 

Embora com peso menor, a inflação mensurada pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) foi outro dado que enfatiza a perda de força do movimento de alta dos preços. O índice subiu 0,87% até a quadrissemana encerrada em 22 de março, taxa menor que a apurada no IPC-S da segunda quadrissemana de março, quando avançou 0,93%, segundo

informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

Enquanto os dados sobre preços conduzem o mercado futuro de juros para uma retirada de prêmios, o movimento só será consolidado caso os números sobre a concessão de empréstimos em fevereiro corrobore uma perda de dinamismo, o que, no entanto, não é esperado. Os números de fevereiro do mercado de crédito serão divulgados às 10h30 e devem trazer

uma volta forte no ritmo de concessões de recursos para pessoas jurídicas.

 

No exterior, os investidores estão cautelosos, à espera do encontro da União Europeia, na quinta e na sexta-feira, que deve abordar as dificuldades da Grécia e discutir algumas soluções para o endividamento do país.

Tudo o que sabemos sobre:
jurosBM&F

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.