Juros futuros sobem acompanhando o dólar

Os juros futuros apresentaram altas consistentes nesta terça-feira, 27, especialmente na ponta longa, acompanhando a valorização do dólar e com um movimento de correção, após as quedas recentes. Por outro lado, dados de inflação no piso das projeções e a retração nos yields dos Treasuries impediram ganhos maiores.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

27 de maio de 2014 | 17h01

Ao fim da sessão regular na BM&FBovespa, o contrato de depósito interfinanceiro (DI) para julho de 2014 (60.970 contratos) marcava 10,849%, de 10,829% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2015 (164.365 contratos) apontava 10,91%, de 10,90% no ajuste da véspera. O DI para janeiro de 2017 (183.295 contratos) indicava 11,89%, de 11,81%. E o DI para janeiro de 2021 (31.450 contratos) tinha taxa de 12,30%, ante 12,19%.

O dólar à vista no balcão subiu 0,76% hoje, a R$ 2,2410. Esse movimento impulsionou as taxas aqui, a despeito da queda, à tarde, dos yields dos Treasuries. Apesar dos dados positivos nos EUA, que tenderiam a reduzir os preços das T-notes (com consequente movimento inverso dos juros), traders apontam que gestores de fundos estão comprando forte hoje, em meio ao ajuste de carteira do fim do mês. Às 16h30, o juro da T-note de 10 anos estava em 2,519%, de 2,536% no fim da tarde de sexta-feira.

No noticiário local, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) informou que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,36% na terceira quadrissemana de maio, o que representa uma desaceleração ante a segunda leitura do mês, quando avançou 0,42%. O resultado ficou no piso do intervalo das previsões coletadas pelo AE Projeções, que iam de 0,36% a 0,41%, e abaixo da mediana de 0,39%. Com o resultado, a inflação na cidade de São Paulo deve fechar maio com taxa inferior à prevista inicialmente pela Fipe, com o IPC encerrando com alta de 0,35%, ante previsão anterior de +0,40%.

O relatório do Tesouro sobre a dívida pública federal não fez muito preço. A dívida teve queda de 1,35% em abril ante março e atingiu R$ 2,052 trilhões. Já a participação dos estrangeiros aumentou para 18,79%, um novo recorde.

Tudo o que sabemos sobre:
Taxas de juros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.