Juros futuros têm abertura tranqüila e em leve baixa

As taxas de juros abriram em leve baixa no mercado futuro. O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), projetava taxa de 12,39% ao ano, às 10h22. Ontem a taxa deste contrato terminou o dia em 12,40% ao ano. O DI de janeiro de 2009 projetava esta manhã 12,38% ao ano, ante 12,40% de ontem. O clima tranqüilo no mercado internacional deve garantir a continuidade da queda das taxas de juros futuros na BM&F. Mas, como a agenda hoje é cheia de eventos importantes - com destaque para a divulgação da inflação no varejo em dezembro, nos EUA, às 11h30, e para o depoimento do presidente do banco central americano, Ben Bernanke, às 13 horas -, uma nova onda de oscilações não está descartada. Os índices futuros das bolsas norte-americanas operam perto da estabilidade. Internamente, o mercado de juros opera na expectativa da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Desde a terça-feira passada, os investidores vêm avançando nas apostas e, segundo operadores, já é possível dizer que cresceu um pouco a probabilidade de uma redução de 0,5 ponto porcentual da taxa Selic. Profissionais consideram, entretanto, que o corte de apenas 0,25 ponto continua como aposta favorita. "Mas está havendo um pequeno rali, que foi detonado pelos números fracos de vendas da indústria divulgados pela CNI na terça-feira passada", afirma um operador. Esse movimento tem engrossado o volume de negócios no contrato de DI de abril de 2007. O leilão de títulos públicos hoje é outro evento importante, que pode influenciar os preços no período da manhã. O Tesouro oferta hoje 8 milhões de títulos prefixados, entre LTN (Letras Nacionais do Tesouro) e NTN-F (Notas do Tesouro Nacional - série F) e NTN-F, volume que pode gerar alguma pressão nos contratos curtos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.