Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Juros futuros terminam em queda após IPCA

O contrato de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2008, o mais negociado na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), terminou projetando taxa de 13,81% ao ano, em queda de 0,29%. Ontem, este mesmo contrato encerrou o dia a 13,85% ao ano. A queda dos juros foi impulsionada pelo IPCA de agosto, baixo demais (em 0,05%) e muito inferior ao piso das previsões de mercado (0,15%). Agora, analistas vêem aumento de chances de um novo corte da Selic em 0,50 ponto porcentual na reunião do Copom de outubro. Porém, um cenário mais firme aguarda a ata de sexta-feira para ser desenhado. Mas há quem já veja neste dado de inflação mais um indicativo de fraqueza da atividade econômica. Os núcleos do IPCA de agosto também mostraram forte queda e ficaram no piso ou abaixo dele nas diferentes formas de cálculo. E, segundo o IBGE, não fossem os reajustes de alimentos e bebidas e salários de funcionários domésticos, a taxa teria ficado negativa. Dessa forma, o mercado, que não demonstrava qualquer expectativa em relação ao IPCA hoje, acabou sendo guiado por esse indicador. As taxas, que mostravam ligeira alta, inverteram o sinal e buscaram mínimas ainda não testadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.