Karoon Petroléo fará oferta primária de 1 mi de ações no Novo Mercado

Estima-se que o preço por papel está situado entre R$ 1,025 mil e R$ 1,275 mil, mas pode ser fixado fora dessa faixa

Eulina Oliveira, da Agência Estado,

27 de outubro de 2010 | 09h04

A Karoon Petróleo e Gás anunciou a oferta pública primária de 1,030 milhão de ações ordinárias da companhia, a serem distribuídas no Brasil, com esforços de colocação no exterior. As ações serão listadas no Novo Mercado da BM&FBovespa. Segundo a Karoon, no contexto da oferta, estima-se que o preço por ação está situado entre R$ 1,025 mil e R$ 1,275 mil, "podendo, no entanto, ser fixado fora dessa faixa indicativa". Pelo preço-teto indicativo do papel, a oferta poderá alcançar R$ 1,772 bilhão, incluindo os lotes adicional e suplementar.

A quantidade total das ações ofertadas poderá ser acrescida em até 15%, ou seja, até 154,5 mil ações (lote suplementar), e em mais 20%, ou até 206 mil ações (lote adicional).

O início do procedimento de coleta de intenções de investimento (bookbuilding) começa hoje e o período de reserva se inicia no próximo dia 4 de novembro, indo até 9 de novembro. O bookbuilding termina em 10 de novembro, quando será fixado o preço por ação.

O registro da oferta pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) está previsto para 11 de novembro. As ações deverão começar a ser negociadas em 12 de novembro e a data de liquidação da oferta está prevista para 17 de novembro.

O encerramento do prazo para exercício da opção de lote suplementar é 10 de dezembro, e a data limite para liquidação das ações do lote suplementar é 15 de dezembro.

A oferta, destinada exclusivamente a investidores qualificados (instituições financeiras e pessoas físicas ou jurídicas que invistam a partir de R$ 300 mil), foi aprovada pelo conselho de administração da empresa em reunião realizada no último dia 22 de outubro. O registro da oferta foi requerido perante a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em 8 de setembro.

Os coordenadores da oferta são o Banco Morgan Stanley (líder), o Credit Suisse e o BTG Pactual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.