‘Kit eleição’ dita ritmo de volatilidade na Bolsa

‘Kit eleição’ dita ritmo de volatilidade na Bolsa

Papéis de estatais vivem desde agosto sobe e desce quase diário

Bianca Ribeiro, Álvaro Campos e Natália Gómez, O Estado de S. Paulo

15 de outubro de 2014 | 21h37


Uma ação de uma empresa cair 10% ou subir 10% na Bolsa de Valores não costuma ser um fato corriqueiro. Quando isso acontece, em geral há um fato relevante por trás: uma compra ou uma venda, um lucro, um prejuízo. Nos últimos meses, porém, as ações das empresas estatais brasileiras têm vivido esse cenário quase diariamente. E o motivo é apenas um: a expectativa do mercado financeiro em relação ao resultado das eleições.

As ações das estatais - Petrobrás, Banco do Brasil e Eletrobrás, principalmente - estão dentro de um pacote que se convencionou chamar de “kit eleição”, os papéis influenciados diretamente pelos rumores eleitorais. Como são também papéis com peso significativo dentro do Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, sua variação tem transformado a Bolsa numa verdadeira gangorra. 

Juntas, as três empresas tinham, no início de outubro, um valor de mercado de cerca de R$ 300 bilhões - ou seja, uma queda ou valorização de 10% significa R$ 30 bilhões a mais ou a menos em um só dia. E essa variação atinge diretamente muitos investidores pessoas físicas, que têm papéis principalmente da Petrobrás - investidor que está bem longe de ser um “especulador do mercado”. 

Basicamente, a variação é provocada pela “torcida” do mercado por uma vitória da oposição. A avaliação é que um novo presidente poderia estabelecer uma política mais tradicional na economia e menos intervencionista nas empresas, o que seria benéfico para as estatais. Por isso, quando sobem as chances de vitória da oposição - apontadas por uma pesquisa, por exemplo -, as ações das estatais sobem. Quando crescem as chances de a presidente Dilma Rousseff ser reeleita, os papéis caem.

A primeira pesquisa que mostrou números apontando para a realização de um segundo turno - portanto, com uma possibilidade de vitória da oposição - foi divulgada em 27 de março. O levantamento trouxe uma queda na avaliação positiva do governo, para 36%, bem abaixo dos 43% observados no levantamento de dezembro de 2013. Além disso, o porcentual daqueles que avaliavam o governo na época como ruim ou péssimo subiu de 20% para 27% no mesmo período. 

Campos. A eleição deste ano causa forte impacto nos mercados, portanto, desde março. Porém, foi depois da morte do candidato Eduardo Campos (PSB) e das consequentes mudanças na corrida pela Presidência que se abriu espaço maior para especulações, o que elevou significativamente a volatilidade e o volume de negócios na Bovespa. 

No caso das ações ordinárias da Petrobrás (ON, com direito a voto), por exemplo, a volatilidade, que era de 38,46% entre janeiro e março, caiu para 37,60% de abril até a morte de Campos. Depois disso, saltou para 59,19% até o término de setembro, segundo cálculos feitos pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, com apoio da Clear Corretora.

A ação preferencial da petroleira (PN, sem direito a voto) tinha volatilidade de 36,86% até março, subiu a 40,05% de abril a 12 de agosto e atingiu 60,71% depois da morte de Campos. 

“A gente precisa da volatilidade para dar ‘game’, então é bom quando o mercado está sacudindo para todos os lados”, disse o analista da Clear Corretora, Raphael Figueredo. “O volume financeiro (da Bolsa) ganhou uma força muito grande desde a segunda quinzena de março, quando começaram as pesquisas eleitorais, e isso está diretamente relacionado à oscilação forte”, acrescentou Pedro Galdi, estrategista-chefe da SLW.

Em março, antes de as pesquisas eleitorais ganharem ritmo, o giro médio do Ibovespa foi de R$ 5,425 bilhões. Em agosto, quando a corrida presidencial já estava a todo vapor, o volume subiu para R$ 8,492 bilhões. Em setembro, o giro subiu para R$ 8,63 bilhões.

O analista de investimentos da corretora Spinelli, Elad Revi, diz, porém, que oscilações muito grandes também podem ser prejudiciais, pois assustam os investidores. “Se a volatilidade sobe muito acima de 40%, o mercado pode ficar meio atônito”, disse.

Estrangeiros. Fonte de euforia para os investidores domésticos, o resultado do primeiro turno das eleições mais disputadas dos últimos tempos criou uma rota de fuga de estrangeiros da Bovespa. Apesar de a maior parte do mercado defender a mudança do governo, o investidor não residente passou a se desfazer de seus ativos em ações com a confirmação da ida de Aécio Neves (PSDB) para o segundo turno. 

O fluxo de capital externo na Bolsa ficou negativo em R$ 3,300 bilhões entre os dias 6 e 10 deste mês, de longe o pior resultado semanal do ano. Mas isso tem pouco a ver com política e muito com lucro. De acordo com analistas, embolsar os ganhos recentes com as ações foi a principal justificativa para tal movimento. / CLÁUDIA VIOLANTE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.