Leilão de swap enxuga liquidez do mercado e dólar à vista recua

Expectativas dos operadores de mercado estão voltadas para a decisão do Fed sobre a taxa de juros dos EUA nesta tarde

SILVANA ROCHA, Agência Estado

18 de junho de 2014 | 10h25

A alta do dólar à vista na abertura do mercado, de 0,17%, não durou muito e a moeda americana passou a operar em baixa ante o real. Por volta de 10h43, o dólar à vista atingiu a mínima do dia até agora, em queda de 0,22%, cotado a R$ 2,2510.

Com a liquidez reduzida, a venda de US$ 198,3 milhões em swap cambial pelo BC ajudou a tirar força dos preços, além dos ajustes ao fechamento, na terça-feira, 17, acima de R$ 2,250. "Houve uma realização de lucros pontual", disse um operador de uma corretora. Segundo ele, todas as expectativas estão voltadas para a decisão, à tarde, de política monetária do Federal Reserve (15h) e a entrevista de sua presidente, Janet Yellen.

Depois do aumento da inflação ao consumidor para 2,1% em 12 meses até maio nos Estados Unidos, acima da meta do Fed de 2%, cresceu a sensação de que o Federal Reserve poderá subir as taxas de juros mais rápido que o esperado, após o fim do programa de compra de ativos previsto até agora para novembro deste ano. Uma possível revisão na estratégia do Fed não é descartada e ampara a demanda pelos Treasuries, cujos preços sobem e os juros caem. Os volumes de negócios podem diminuir até o começo da tarde, mas a fala de Yellen deverá definir os ajustes nos mercados globais no fim da sessão.

O recuo do dólar também expressa perspectivas de ingressos parciais de recursos de captações corporativas no exterior, que somaram cerca de US$ 5 bilhões na semana passada.

Nesta véspera do feriado de Corpus Christi no Brasil, na quinta-feira, 19, os agentes financeiros também aguardam medidas de estímulo à indústria, que o governo deve anunciar à tarde. Apesar do enfraquecimento do dólar, os agentes financeiros monitoram a crise política na Ucrânia e no Iraque. Um cessar-fogo está sendo negociado pelo governo ucraniano e a Rússia. Mas no Iraque houve um ataque de insurgentes na maior refinaria de petróleo local nas últimas 24 horas e os preços da commodity estão em alta.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarbanco central

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.