Libra esterlina atinge máxima ante o dólar em 7 meses

A libra esterlina atingiu a máxima em sete meses ante o dólar nesta quarta-feira, 11, após uma inesperada queda na taxa de desemprego do Reino Unido levar os investidores a apostar em uma alta das taxas de juros britânicas antes do previsto.

Agencia Estado

11 de setembro de 2013 | 18h45

A taxa de desemprego no Reino Unido caiu para 7,7% nos três meses até julho, de 7,8% nos três meses até junho, segundo dados do Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês). Economistas haviam previsto que a taxa ficaria em 7,8%.

O recuo deixa a taxa mais próxima da meta de desemprego que o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) afirmou que precisa atingir antes de considerar uma elevação na taxa de juros de referência. Além disso, a queda na taxa de desemprego pode intensificar especulações de que o BoE pode ser forçado a elevar os custos de empréstimos antes do esperado.

A taxa de desemprego se tornou um indicador crucial para a trajetória futura da política monetária no Reino Unido. No mês passado, o BoE afirmou que deve esperar até que a taxa de desemprego caia para 7% antes de considerar o aumento da taxa de juros.

A libra deu um salto após o dado, na medida em que os participantes do mercado começaram a precificar a probabilidade de o aumento de juros ocorrer já no fim do ano que vem. A alta ajudaria a moeda britânica, uma vez que juros maiores tornam os ativos do país mais atrativos para investidores. "Enquanto vermos dados surpreendendo positivamente, a libra receberá sustentação", disse Joe Manimbo, analista da Western Union Business Solutions.

Enquanto isso, o dólar caiu ante o iene e o euro. A moeda tem flutuado em um intervalo estreito esta semana, na medida em que os investidores aguardam a reunião do Federal Reserve na próxima semana. O banco central dos EUA pode anunciar a redução de estímulos que vêm dando apoio ao dólar nos últimos anos.

No fim da tarde em Nova York, a libra estava em US$ 1,5821, de US$ 1,5733 no fim da tarde da véspera, após ter atingido US$ 1,5828, seu maior nível ante o dólar desde 8 de fevereiro. O dólar caía para 99,88 ienes, de 100,38 ienes. O euro subia para US$ 1,3313, de US$ 1,3266, e recuava para 132,93 ienes, de 133,18 ienes. O índice Wall Street Journal Dollar Index, que pesa a moeda norte-americana ante uma cesta de rivais, tinha queda para 73,796 pontos, de 74,079 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
moedas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.