Libra sobe após PIB do Reino Unido e dólar segue pressionado pelo Fed

Economia britânica cresceu 0,5% nos três primeiros meses deste ano, em linha com as estimativas prévias de economistas, mas melhor do que os comentários que eram feitos pouco antes do anúncio dos números

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de abril de 2011 | 09h42

A libra se fortaleceu depois da divulgação dos dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido no primeiro trimestre deste ano, que surpreendeu alguns observadores dos mercados. O dólar, enquanto isso, segue pressionado pelas expectativas com a reunião de política monetária do Federal Reserve, embora as perdas tenham sido reduzidas com alguns investidores considerando a queda recente exagerada.

O PIB do Reino Unido cresceu 0,5% nos três primeiros meses deste ano, em linha com as estimativas prévias dos economistas, mas melhor do que os comentários que eram feitos pouco antes do anúncio dos números - de que a expansão ficaria entre 0,2% e 0,3%. "As expectativas eram tão fracas que mesmo um crescimento de 0,5% foi bem recebido", comentou Michael Sneyd, estrategista do Société Générale.

No entanto, os ganhos foram limitados porque a possibilidade de o Banco da Inglaterra (BOE) elevar as taxas básicas de juros não mudou com o anúncio do PIB e as chances de uma elevação na reunião de maio agora são muito pequenas. "Como o BOE previa um crescimento de 0,8% na economia no primeiro trimestre, os números de hoje devem agir como um fim para as expectativas de alta nos juros em maio", afirmou Azad Zangana, economista da Schroder Investment Management.

Afora os ganhos sobre o iene, o dólar continua sob pressão enquanto os investidores aguardam o resultado da reunião do Fed, que deve ser anunciado às 13h30 (de Brasília), e a entrevista do presidente da instituição, Ben Bernanke, às 15h15. O franco suíço renovou a máxima histórica ante o dólar durante o pregão asiático, com a moeda norte-americana caindo para 0,8669 franco.

O dólar australiano, por sua vez, atingiu o maior nível em 29 anos ante o dólar dos EUA após a divulgação da maior alta na inflação ao consumidor da Austrália nos últimos 5 anos. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) australiano subiu 1,6% no primeiro trimestre, ante os três últimos meses de 2010. O aussie, como a moeda local é chamada, alcançou US$ 1,0853, de US$ 1,0764 na quinta-feira, último dia de negócios no mercado local antes do feriado de Páscoa.

Às 9h25 (de Brasília), a libra subia para US$ 1,6546, de US$ 1,6477 no fim da tarde de ontem, enquanto o euro avançava para US$ 1,4660, de US$ 1,4645. O dólar se recuperava das perdas diante da moeda da Suíça e operava a 0,8790 franco, de 0,8755 franco ontem, ao mesmo tempo que tinha lata para 82,28 ienes, de 81,55 ienes. O dólar australiano era cotado a cerca de US$ 1,0817. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.