Light investirá R$ 90 mi para combater perda de energia

A Light pretende investir cerca de R$ 90 milhões anuais em ações de combate às perdas de energia elétrica. Atualmente, a empresa tem um índice de perda de 24%. Em sua primeira entrevista coletiva à imprensa, o novo diretor-presidente da distribuidora de energia elétrica do Rio de Janeiro, José Luiz Alquéres, disse que a companhia vai atuar principalmente em três frentes: conscientização do consumidor, articulação institucional e regularização no fluxo de pagamentos. Ao detalhar a atuação da empresa nessas três frentes, o executivo considerou que, no caso da conscientização, esse é um dos principais instrumentos no combate à "enorme informalidade" existente no setor. "Combater militarmente a perda não é só blindar a rede e trocar medidor. Não se resolve só com repressão e sim com a conscientização (junto ao consumidor) de não roubar (energia)", disse o executivo. Segundo ele, a companhia quer implementar ações institucionais e de mídia para esclarecer ao consumidor sobre as conseqüências do consumo ilegal de energia. Ao detalhar a articulação institucional, o executivo informou que a Light pretende se reunir com grandes empresas, que também têm problemas semelhantes, como Cedae e Telemar, além da própria Prefeitura do Rio - que perde arrecadação tributária -, para falar sobre ações conjuntas no combate às perdas. Além disso, a Light também pretende atuar na regularização de fluxos de pagamentos à empresa, que permita à distribuidora contabilizar seus ganhos de forma eficiente. Também presente na coletiva, o diretor vice-presidente de Finanças e Relações com Investidores da Light, Ronnie Vaz Moreira, informou que o volume de investimentos totais da empresa, ao ano, é em torno de R$ 300 milhões. Entretanto, este ano esse valor deve girar em torno de R$ 320 milhões. Os executivos concederam a primeira coletiva de imprensa após mudança de diretoria, que foi modificada devido à compra da empresa pelo consórcio Rio Minas Energia Participações (Cemig, Andrade Gutierrez, Pactual Energia Participações, e Luce Brasil Fundo de Investimentos em Participações).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.