Liminar inédita bloqueia venda de ações ordinárias da Ipiranga

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Ministério Público Federal obtiveram, no final da noite de ontem, uma liminar junto à 1ª Vara Federal do Rio de Janeiro, que bloqueia quase R$ 4 milhões envolvidos na transação com ações ordinárias do Grupo Ipiranga, cuja aquisição pelos grupos Braskem, Ultra e Petrobras foi anunciada na segunda-feira. Os suspeitos são um fundo estrangeiro e uma pessoa física. Os nomes dos envolvidos estão sob sigilo de justiça. É a primeira vez no Brasil que uma liminar bloqueia ações adquiridas com indícios de vazamento de informações privilegiadas, segundo o presidente da CVM, Marcelo Trindade. A CVM tem até 90 dias para concluir a investigação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.