Lucro da Suzano Papel cai 60% no segundo trimestre, para R$ 103,349 mi

A Suzano Papel e Celulose registrou lucro líquido de R$ 103,349 milhões no segundo trimestre deste ano, uma queda de 60% em relação aos R$ 258,483 milhões de igual período de 2005. A receita líquida aumentou 13,6%, para R$ 788,099 milhões, e o lucro bruto subiu 5,9%, para R$ 287,752 milhões. O lucro operacional totalizou R$ 130,517 milhões, com queda de 62,3%. O patrimônio líquido ao final do período era de R$ 3,938 bilhões. O volume de vendas da companhia cresceu 16,3% no segundo trimestre sobre o mesmo período de 2005, para 367,1 mil toneladas, com redução de 9,4% nos preços médios. Com esse desempenho, a receita líquida evoluiu 5,4%, para R$ 652,6 milhões. Considerando a Ripasa, a receita do trimestre sobe para R$ 788,099 milhões, porém os dados de produção e vendas desta companhia não foram abertos no balanço.O mercado externo representou 49,4% da receita de vendas da Suzano, contra 48,9% no segundo trimestre do exercício anterior. Em comparação aos primeiros três meses de 2006, houve um aumento de 11,7% na receita líquida, conseqüência do avanço de 12,4% nos volumes vendidos, que mais que compensaram a queda de 0,6% nos preços médios - influenciados pelo aumento de preços internacionais de celulose e papel.A comercialização de celulose totalizou 159 mil toneladas no trimestre, volume 34,9% superior ao registrado no mesmo período de 2005. O aumento reflete a maturação do projeto de otimização da planta de celulose na unidade Mucuri. O mercado externo foi responsável por 89,7% das vendas totais, revelando crescimento de 43,8% em comparação com o mesmo intervalo de 2005. O preço médio obtido com a venda do produto no mercado externo foi de US$ 558/tonelada, frente os US$ 523/tonelada dos primeiros três meses do ano.Na área de papéis, foram comercializadas 208,1 mil toneladas, com avanço de 5,2% sobre o segundo trimestre de 2005. O aumento no volume total foi influenciado pelo desempenho das vendas no mercado interno, que subiram 10,6% no comparativo com o mesmo período do ano passado.Para o segundo semestre é esperada a comercialização de papéis para o governo, para o programa de produção de livros didáticos. No semestre, segundo dados da Bracelpa, o mercado de papéis no Brasil cresceu 12,9%, sendo que o segmento de papel cartão avançou 5,5% e o de imprimir e escrever aumentou 15,3%.O preço médio de papéis durante o trimestre foi R$ 2.213 por tonelada, queda de 5,5% sobre igual período de 2005. A redução se explica pela queda dos preços no mercado interno e pela valorização do real no período que impacta os valores de exportação. Em relação aos primeiros três meses do ano, o preço médio de papéis apresentou recuperação de 1,9%, devido, principalmente, à recuperação de preços em dólares na exportação.A receita líquida com a venda de papéis atingiu R$ 460,4 milhões, recuando 0,5% sobre o segundo trimestre de 2005, e representou 70,6% do total da Suzano. Em comparação ao primeiro trimestre do ano, a receita subiu 3,4%, conseqüência do aumento de 1,9% nos preços médios e a evolução de 1,5% no volume vendido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.