Magnesita pode obter até R$ 417,8 mi em oferta primária de ações

Preço da ação na oferta será fixado dia 2 de fevereiro, quando se encerra o procedimento de coleta de  intenções de investimento 

Luana Pavani, da Agência Estado,

13 de janeiro de 2011 | 14h55

A Magnesita Refratários fará uma oferta pública primária de 30,7 milhões de ações ordinárias,  com esforço de colocação no exterior. Ao preço da ação no pregão de ontem, R$ 10,08, a oferta pode atingir R$  309,456 milhões, sem contar os lotes adicional, de até 20% da quantidade inicial (mais 6,14 milhões de ações) e  o suplementar, de até 15% (ou 4,605 milhões). Com o exercício integral desses lotes, a distribuição passaria a  41,45 milhões de papéis e alcançaria R$ 417,8 milhões (ainda pela cotação mais recente).

O preço da ação na oferta será fixado dia 2 de fevereiro, quando se encerra o procedimento de coleta de  intenções de investimento (bookbuilding), que abre dia 19 de janeiro. O período de reserva vai de 26 de janeiro  a 1º de fevereiro, conforme cronograma estimado no prospecto preliminar da oferta. O coordenador líder é o Itaú  BBA ao lado do Credit Suisse.

A oferta de varejo será de no mínimo 10% e máximo de 15% das ações, para investimentos de R$ 3 mil a R$ 300  mil.

O pedido de oferta foi protocolado na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais  (Anbima) em 20 de dezembro, quando a companhia estimava entre R$ 255 milhões e R$ 425 milhões.

A empresa espera obter registro da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em 3 de fevereiro e dar início à  negociação das ações objeto da oferta na BM&FBovespa em 4 de fevereiro. A liquidação da oferta deve ocorrer no  dia 8 do mesmo mês.

Segundo a empresa, a oferta tem como objetivo liquidar parcialmente uma Nota de Crédito à Exportação, cujo  vencimento final ocorre em 5 de março de 2015. A contratação dessa nota - com saldo em 30 de setembro de 2010  de R$ 704,1 milhões e juros de CDI + 2,75% - tinha o propósito de financiar as exportações de sinter de  magnesita e materiais refratários e refinanciar outras dívidas bancárias. Ao liquidar parcialmente a nota a  empresa espera acelerar a realização de investimentos e aumentar sua autossuficiência e verticalização em  matérias-primas, conforme o prospecto. Os investimentos incluem R$ 220 milhões para expandir em 120 mil  toneladas ao ano a produção de M-30 (sínter) até 2012 em Brumado (BA); e R$ 80 milhões na mina de grafita, nos  próximos 24 meses para produção de 40 mil toneladas ao ano. A empresa informou ainda que detém recursos em  caixa para utilização nos investimentos.

Tudo o que sabemos sobre:
Magnesitaoferta públicaações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.