Maioria da bolsas da Europa sobe com fusão e aquisição

As fusões e aquisições sustentaram mais uma vez os principais mercados de ações europeus, com o foco hoje concentrado nas farmacêuticas alemãs e na francesa Alcatel. Em Frankfurt, onde o índice Dax fechou em alta de 26,03 pontos, ou 0,44%, aos 5.973,14 pontos. As ações da Schering saltaram 1,6%. A Bayer propôs uma oferta de 16,3 bilhões de euros (US$ 19,5 bilhões) para comprar a Schering. Esta disse que seu conselho administrativo vai recomendar aos acionistas o voto em favor da oferta, depois de uma revisão dos documentos da transação. A oferta da Bayer supera uma oferta hostil lançada pela Merck no dia 12 de março, de US$ 17,4 bilhões, quantia que a Schering havia considerado baixa demais. As ações da Bayer subiram 1,9%, enquanto as da Merck recuaram 0,2%. Em Paris, o índice CAC-40 subiu 23,93 pontos, ou 0,46%, para 5.218,71 pontos, abaixo da máxima do dia. As ações da Alcatel ganharam 1,6%, com a notícia de que a empresa está em negociações avançadas com a Lucent Technologies sobre uma possível fusão avaliada em US$ 33 bilhões. Em comunicado, a companhia francesa confirmou as negociações, mas destacou que não há nenhuma garantia de que um acordo será alcançado. Em Londres, o índice FT-100 fechou em alta de 46,20 pontos, ou 0,77%, para 6.036,30 pontos, sustentado por ações de varejistas, mineradoras e petrolíferas. A seguradora Prudential caiu 4,8%, depois de a Aviva ter afirmado que não está mais interessada na companhia. Aviva subiu 1,2%. A Bolsa de Milão fechou com o índice S&P/Mib em baixa de 64 pontos, ou 0,17%, aos 38.178 pontos, prejudicada pela realização de lucros no setor financeiro (Generali, -2%; Sanpaolo IMI, -1,7%). Fiat subiu 0,3%, com a expectativa de que irá apresentar dados positivos sobre venda de automóveis. Em Madri, o índice Ibex-35 fechou em alta de 48,20 pontos, ou 0,4%, aos 11.954,4 pontos. A Bolsa de Lisboa fechou com o índice PSI-20 em alta de 48,67 pontos, ou 0,48%, para 10.170,39 pontos. Portugal Telecom caiu 0,4%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.