Maioria das bolsas asiáticas fecha em alta; Tóquio cai

Apesar dos números positivos nos principais mercados da região, bolsa de Tóquio encerrou em queda, com realização de lucros

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, Agência Estado

26 de janeiro de 2011 | 08h17

Os principais mercados asiáticos apresentaram números positivos nesta quarta-feira, 26, após dois dias de resultados negativos em sua maioria. Os caçadores de ofertas foram a principal referência nas bolsas da região. Não houve negociações na Austrália e na Índia por ser feriado. A Bolsa de Tóquio fechou em baixa, uma vez que a valorização do iene e os fracos resultados corporativos nos EUA deflagraram uma realização de lucros. A queda das ações do laboratório Eisai e da montadora Toyota - esta última ante a notícia de um recall - pesaram fortemente no resultado do pregão. O índice Nikkei 225 perdeu 62,52 points, ou 0,6%, e fechou aos 10.401,90 pontos.

As ações abriram em baixa e assim permaneceram por toda a sessão, em reação aos anêmicos balanços da American Express e da 3M. Segundo o estrategista da Okasan Securities, Hideyuki Ishiguro, a tendência declinante da bolsa japonesa pode continuar até a segunda semana de fevereiro. "Haverá uma correção no mercado", afirmou Ishiguro, observando que as ações vêm subindo fortemente desde o começo de novembro. Essa correção, contudo, "não será baseada numa deterioração dos fundamentos da economia japonesa", disse.

Em Hong Kong, a procura por pechinchas permitiu a elevação de 0,2% no índice Hang Seng, que fechou aos 23.843,24 pontos, após quatro sessões de queda.

A presença de investidores em busca de ofertas de ocasião nos setores de recursos naturais e bancário, após dois pregões de declínio, também fez as Bolsas da China fecharem em elevação. O índice Xangai Composto subiu 1,2% e terminou aos 2.708,81 pontos. O índice Shenzhen Composto ganhou 1,6% e encerrou aos 1.154,42 pontos.

O yuan subiu levemente ante o dólar depois de Pequim fixar outro recorde de baixa na taxa de paridade central dólar/yuan, o qual estava marginalmente abaixo do nível de terça-feira. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,5819 yuans, de 6,5827 yuans ontem. A taxa de paridade central dólar/yuan foi fixada em 6,5878 yuans, de 6,5881 yuans ontem.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, encerrou o dia em alta, com ganhos nos papéis dos setores siderúrgico e tecnológico. O índice Taiwan Weighted subiu 0,71% e fechou aos 9.055,59 pontos.

Na Coreia do Sul, os investidores mantiveram o otimismo de que a liquidez global se estenderá para o mercado local. O índice Kospi da Bolsa de Seul encerrou em alta de 1,1%, fechando aos 2.110,46 pontos, com ganho nos setores automotivo e tecnológico.

Nas Filipinas, a Bolsa de Manila encerrou o dia em baixa, com os investidores retomando a realização de lucros em meios às persistentes preocupações com a inflação e a falta de estímulos para compras vindos do exterior. O índice PSE recuou 0,72%, e fechou aos 3.931,64 pontos.

A Bolsa de Cingapura teve forte alta com movimento de procura por ofertas, uma vez que os investidores procuraram tirar vantagem de recentes retiradas em papeis locais. O índice Straits Times subiu 1,2% e fechou aos 3.222,78 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 2,0% e fechou aos 3.501,71 pontos, uma vez que os fundos estrangeiros adquiriram papeis de bancos e de empresas relacionadas ao consumo na expectativa de fortes lucros em 2010.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, teve alta de 2,0% e fechou aos 978,07 pontos, com ações de energia com larga alta devido ao aumento de preço do petróleo, enquanto outros setores recuperaram após o índice perder 7,3% ao longo das últimas quatro sessões.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, recuou 0,4% e fechou aos 1.520,00 pontos uma vez que um movimento de vendas na véspera do feriado do Ano Novo Lunar na próxima semana persiste. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsiaTóquioaçõesperdas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.