Maioria das bolsas asiáticas volta a fechar com perdas

Poucos mercados se recuperaram nesta quarta-feira na Ásia, apesar do fechamento em alta na Bolsa de Tóquio. A maior parte das bolsas da região terminou em queda, ressentindo-se das perdas de ontem em Nova York e da onda de vendas que voltou a assolar vários mercados emergentes. A expectativa com o índice de preços ao consumidor (CPI) que será divulgado hoje nos EUA também contribuiu para manter os investidores na retaguarda. A bolsa indiana, que vinha sendo alvo de venda dos estrangeiros, caiu 1,5%, mas com as vendas concentradas entre os investidores locais e individuais, que tiveram de cobrir margem. O índice de referência Sensex encerrou abaixo dos 9 mil pontos, em 8.929,44 pontos, menor nível desde 9 de dezembro. As ações de bancos e de tecnologia foram as mais vendidas. Os estrangeiros também venderam pesado na Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, que registrou a maior queda na região, recuando 3,54% nesta quarta-feira. O índice de referência encerrou em 646,69 pontos, menor nível desde 11 de julho de 2005. A bolsa chinesa terminou o dia com desvalorização de 1%, diante da desaceleração dos metais. O índice Shanghai composto fechou em queda de 1,11% e o Shenzhen composto cedeu 0,95%. A Bolsa de Cingapura fechou em queda de 0,55%; a Bolsa de Jacarta, Indonésia, caiu 0,19%; a Bolsa de Kuala Lumpur, Malásia, fechou em baixa de 1,15%, a Bolsa de Manila, nas Filipinas, recuou 2,51%. As exceções, ou seja, os mercados que fecharam em alta foram Hong Kong, favorecido por compras de papéis baratos, Coréia do Sul, em ajuste de alta, e Taiwan, puxado pelos papéis do setor de turismo e aviação. O governo taiwanês anunciou que permitirá vôos regulares entre o país e a China durante os principais feriados. O índice composto da Bolsa de Taipé fechou em alta de 2,1%. Em Hong Kong, o índice Hang Seng, os ganhos foram mais modestos, de 0,09%. Na Coréia do Sul, o índice Kospi subiu 1,48%. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

14 de junho de 2006 | 09h00

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.