Maioria das bolsas da Ásia inicia semana em baixa

Após três pregões de alta, Hong Kong recuou 0,5%; na contramão, Tóquio subiu 0,1%

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

21 de fevereiro de 2011 | 07h31

A maioria dos mercados asiáticos apresentou queda nesta segunda-feira. Sem expectativas com relação à Wall Street, por conta do feriado de hoje nos Estados Unidos, os investidores realizaram lucros e também reagiram a fatores locais de cada país.

Na contramão, a Bolsa de Tóquio fechou com ganhos modestos, basicamente por causa do alívio ante o fato de que os mercados não reagiram negativamente à última elevação do compulsório bancário na China, anunciada na última sexta-feira. O índice Nikkei 225 subiu 14,73 pontos, ou 0,1%, e fechou aos 10.857,53 pontos.

Após três pregões seguidos de alta, a Bolsa de Hong Kong fechou no campo negativo por conta da realização de lucros. O setor imobiliário liderou a baixa, com os investidores na expectativa do anúncio de novas medidas para desaquecer o segmento. O índice Hang Seng baixou 109,82 pontos, ou 0,5%, e encerrou aos 23.485,42 pontos.

Já as Bolsas da China fecharam na maior pontuação em mais de três meses, lideradas pelas petrolíferas, após o país elevar os preços dos combustíveis no fim de semana, e pelas siderúrgicas, por conta das expectativas de alta dos preços. O índice Xangai Composto ganhou 1,1% e terminou aos 2.932,25 pontos, o maior fechamento desde 15 de novembro. O índice Shenzhen Composto subiu 1,9% e fechou aos 1.297,66 pontos.

O yuan teve nova valorização histórica em relação ao dólar, após o Banco Central chinês fixar a taxa de paridade central dólar-yuan em novo patamar recorde (de 6,5781 yuans para 6,5705 yuans), depois das pressões recebidas no encontro do G-20. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,5668 yuans, de 6,5732 yuans do fechamento de sexta-feira.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, encerrou o dia em leve baixa. O índice Taiwan Weighted recuou apenas 0,05% e fechou aos 8.839,22 pontos.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul recuou 0,4% e encerrou aos 2005,30 pontos, em um pregão apático.

O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney, na Austrália, recuou 0,7% e terminou aos 4.900 pontos, em meio à cautela diante da agitação no Oriente Médio e no norte da África e da elevação do depósito compulsório na China.

Nas Filipinas, a Bolsa de Manila fechou em baixa, com investidores realizando lucros após a recente recuperação do mercado. O índice PSE recuou 0,36% e fechou aos 3.837,44 pontos.

A Bolsa de Cingapura fechou em baixa, uma vez que o apetite por risco enfraqueceu devido ao crescimento das tensões no Oriente Médio e porque as últimas medidas de aperto monetário na China sexta-feira alimentaram as preocupações de um crescimento mais vagaroso. Perdas nos mercados europeus também pesaram nas negociações da tarde. O índice Straits Times caiu 0,5% e fechou aos 3.070,60 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 0,1% e fechou aos 3.497,64 pontos, com os fundos locais realizando lucros em ações relacionadas ao consumo e de bancos, interrompendo recente rali.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, fechou estável, aos 995,67 pontos, com realizações de lucros, após cinco dias de ganhos devido a eufórico movimento de compras de investidores estrangeiros.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,5% e fechou aos 1.525,85 pontos, depois de os fortes resultados do segundo trimestre da maior instituição de crédito do país por ativos, o Malaysian Banking, terem impulsionado o sentimento do mercado. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.